Pré-candidaturas ao Senado estão sendo descartadas em vários estados para que o Partido dos Trabalhadores (PT) consiga ter o apoio de partidos ao projeto do ex-presidente Lula, preso desde 7 de abril por corrupção e lavagem de dinheiro. O levantamento aponta a desistência inclusive de senadores que concorreriam à reeleição e mandatos estariam sendo usados como “moeda de troca” para que Lula tenha algum palanque.

Maranhão, Ceará, Amazonas, Piauí e Amapá são alguns dos estados em que pré-candidatos foram descartados. José Pimentel é atualmente senador do PT pelo Ceará e iria para a reeleição, mas foi “rifado” e o partido deve apoiar a candidatura de Eunício Oliveira, do MDB de Michel Temer (!). Um outro partido do Centrão – hoje com Alckmin – ganhou apoio do PT. O Progressistas no Piauí vai receber a chancela da militância petista para eleger Ciro Nogueira. O preço foi a retirada da candidatura da senadora Regina Souza (PT).

No Amazonas os esforços serão para reeleger uma senadora do PCdoB (Vanessa Grazziotin) e, no Amapá, os petistas sobem no palanque do PSB pra alavancar a candidatura de João Capibaribe. Um parêntese na regra é o Maranhão, onde o PT abriu mão de uma candidatura própria não ao Senado, mas ao Governo do Estado para apoiar a reeleição de Flávio Dino (PCdoB). Em casos assim na política, o partido que abre mão normalmente pede uma vaga na chapa (vice) ou como suplente, não foi assim com o PT, que “só” quer o apoio a Lula.

Apesar de agarrada pelo PT, a pré-candidatura de Lula cai na Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar nº 135/2010). A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Carmen Lúcia, inclusive reiterou que o registro de candidatura não é válido em casos de condenação a partir de um órgão colegiado, como aconteceu com Lula no Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Sendo assim, analistas já contam com a candidatura de Lula sendo um projeto que, mal saiu do papel, mas já é descartado.

O PT, por outro lado, não só aposta no ex-presidente, como continua usando mandatos como moeda de troca.

 

Da Redação com Estadão

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome